Posts com a tag "Refrigeração"

O que é degelo e quais são as opções para refrigeração?

17/06/2022 - Refrigeração
A função de degelo é muito comum nos sistemas de refrigeração, mas você sabe como funciona? Na refrigeração o evaporador é o responsável por realizar a troca de temperatura com o ambiente interno, com as baixas temperaturas em muitas vezes esse componente pode acabar congelando e o gelo formado funciona como um isolante térmico que atrapalha nas trocas de temperatura. O que é degelo?; Tipos de degelo: Natural; Com resistência; Por gás quente; Controladores Ageon compatíveis com degelo. O que é degelo? Com esses problemas que o evaporador pode sofrer nos sistemas de refrigeração, o sistema possui a necessidade de desligar o compressor e em alguns casos até ligar fontes externas de calor para derreter o gelo. Esse processo é rotineiramente visto em geladeiras frost free, onde o compressor é desligado. Nos sistemas de refrigeração possuem formas diferentes de degelo, dependendo da temperatura utilizada. Quando a temperatura fica acima de 0°C, é comum a utilização de degelo natural, como o compressor é desligado em ciclos. Quando a temperatura é inferior a 0°C, é mais comum a utilização de degelo elétrico ou degelo por gás quente. No processo com resistência elétrica, ela é posicionada junto ao evaporador, o que acelera o processo, já no modo por gás quente, utiliza o vapor da descarga do compressor aplicado diretamente sobre a superfície dos evaporadores. Tipos de degelo: Para cada tipo de sistema de refrigeração, os controladores podem ser utilizados de algumas formas, como o degelo natural, ou utilizar gerenciamento com resistência ou então por gás quente. Natural Esse modo de degelo é visto em sua grande maioria em aplicações em que a temperatura do sistema não ultrapasse abaixo de 0ºC. Nessas situações, o degelo funciona com a parada do compressor, quando o compressor é desligado a temperatura do evaporador é elevada e, assim, a camada de gelo criada derreta sozinho sem o auxílio de sistemas externos. Assim, faz com que seu consumo de energia seja menor. Por outro lado, esse processo tende a demorar mais, pois depende da temperatura do ambiente. Com resistência Diferentemente do degelo natural, nos modelos com resistência utiliza fontes externas para derreter o gelo formado no evaporador, já que essa função é utilizada em sistemas de refrigeração que trabalham com a temperatura mais baixa ainda, ultrapassando 0ºC. Para essa função, funcionar é realizado ciclos, sendo o momento que o compressor se mantém ligado junto com os ventiladores, depois o compressor e os ventiladores são desligados e a resistência é ligada. Depois disso, a resistência é desligada e conta um tempo para a drenagem da água, e posteriormente é iniciado uma temporização para o acionamento dos ventiladores enquanto o compressor é ligado. Por gás quente No processo utilizado por gás quente, é utilizado o vapor superaquecido liberado pelo compressor que é para a serpentina do evaporador. Para isso, um sistema de válvulas solenóides é acionado pelo controlador para alterar o fluxo normal do fluido, os ciclos do sistema seguem a mesma forma do degelo com resistências. Esse método reaproveita energia do sistema de refrigeração, resultando em um consumo de energia menor do que o elétrico, ao mesmo tempo em que a duração do processo costuma ser menor. Controladores Ageon compatíveis com degelo Os controladores Ageon possuem gerenciamento de degelo e são divididos pelo método escolhido e temperaturas de onde vão ser instalados. Abaixo temos uma tabela com os modelos e as opções de degelo. ProdutoTipo de degeloAutomaSet T102NaturalLinha Black A102NaturalLinha Black A103Elétrico / Gás quenteLinha Black A106Elétrico / Gás quenteSérie H103Elétrico / Gás quenteSérie K116 BigDisplayElétrico / Gás quenteSmatSet One Elétrico / Gás quenteSmartSet DuoElétrico / Gás quenteSmartSet MaxElétrico / Gás quente Você pode acessar outro post para entender melhor como funciona o ciclo de degelo de um controlador de temperatura para refrigeração. Para configurar os controladores, no site da Ageon possui uma página de downloads, onde você pode ter acesso a todos os manuais de nossos produtos. Ficou com dúvida? Entre em contato com nosso suporte técnico para esclarecer suas dúvidas com através dos nossos canais de comunicação: (48) 3028-8878 (48) 99996-0430 Ou entre em contato por WhatsApp Deixe seu comentário e compartilhe. Fique à vontade para nos contatar em nossos demais canais digitais:

Do campo à mesa: uso de produtos Ageon na criação de gado

17/05/2022 - Aquecimento, Automação, Climatizadores, Refrigeração
O Brasil é considerado o maior produtor de carne bovina do mundo, e consequentemente, é o país que possui o maior rebanho bovino do planeta. Em 2020, a criação chegou a 217 milhões de cabeças de gado. Com isso, os processos de abate precisaram de aprimoramento e automatizações para suprir a grande demanda por produtos derivados do gado, que atende setores além do alimentício, como também o setor farmacêutico, de moda e de cosméticos.  Esse aperfeiçoamento de processos é exigido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e engloba os procedimentos de transporte do gado até a expedição do produto final.  Além da carne: setores que utilizam outros derivados do boi;O processo de produção da carne bovina;Criação extensiva;Criação semi-intensiva;Criação intensiva. Além da carne: setores que utilizam outros derivados do boi Vários segmentos beneficiam-se de derivados do boi para fabricação de produtos que vão muito além da carne. No setor alimentício podemos salientar o leite como principal, gerando inúmeros produtos secundários como queijos, manteigas e iogurtes, a gelatina e o chiclete, e também a ração animal. No setor farmacêutico e de beleza, podemos destacar a fabricação de medicamentos, filmes para raio X, substâncias para perfumaria, cremes e loções. No setor de moda, o couro é utilizado para confecção de roupas, calçados, bolsas, malas, cintos e outros acessórios. Além desses, outras indústrias também aproveitam derivados do boi para os setores de limpeza e esportivo, entre outros.  O processo de produção da carne bovina O processo inicia na criação do gado que pode ser três formas: extensiva, semi-intensiva ou intensiva.  Criação extensiva A forma extensiva se refere a criação tradicional, com grandes áreas de pastagens e livre circulação do gado.  Criação semi-intensiva A forma semi-intensiva leva em conta o equilíbrio entre o confinamento e o pasto, oscilando na forma de alimentação, visto que ao longo do ano utilizam suplementos juntamente com a alimentação.  Criação intensiva A forma intensiva costuma ser a mais rápida por conta do maior controle sobre os animais que ficam confinados nos chamados “cochos”, onde recebem alimentação com uma dieta balanceada e bem definida. Os animais ficam em um espaço reduzido, não tendo acesso livre ao pasto, sendo indicado controlar a temperatura com sistema de ventilação para manter o ambiente agradável aos animais.Neste sistema de climatização, é recomendado a utilização de inversores de frequência para auxiliar moderar a ventilação, aumentando ou diminuindo a intensidade do ar e, consequentemente, da temperatura. Você pode encontrar o inversor de frequência aqui. Após o período de engorda, os animais são transportados para o local de abate, onde os animais recebem água e permanecem por um certo tempo com o objetivo de não gerar estresse e garantir o bem-estar. Antes do abate é feito o banho de aspersão, que tem por objetivo reduzir a poeira e a sujeira na sala de abate. A insensibilização é feita logo em seguida para assegurar que o animal fique inconsciente e seja abatido sem causar dor e sofrimento.  Em seguida, o animal é pendurado e a sangria é feita. Posteriormente, é realizada a esfola, que consiste na retirada do couro e desarticulação da cabeça. Logo após essa etapa, é executada a evisceração com o máximo de cuidado para a peça não ser contaminada. A seguir os cortes são feitos e as peças vão para a refrigeração.  Na etapa de refrigeração as peças permanecem de 24 a 36 horas em ambiente com temperatura que varia entre 0ºC e 4ºC. Utilizando câmaras de refrigeração com controles de temperatura adequados para garantir a qualidade da carne e a continuação das próximas etapas.  O processo segue para o corte e desossa, que são feitos já com as peças resfriadas que seguem para a etapa de embalagem em esteiras articuladas que são controladas por inversores de frequência para facilitar a separação da carne, visto que o equipamento proporciona agilidade no processo de limpeza. E este processo de limpeza possui normas de higienização, a temperatura da água precisa estar entre 85ºC e 90ºC.  Após a separação, as peças vão para o estoque em câmaras frigoríficas, que mantém a carne resfriada até a hora da expedição.  Por último, é feita a expedição e transporte da carne, que é estocada em refrigeradores dos açougues e lojas de carnes, assim como nas residências dos consumidores finais. Nesses refrigeradores é possível implementar controladores de temperatura com modo econômico, fazendo com que o processo seja mais sustentável.  Durante todo o processo de produção de carne bovina os produtos Ageon estão presentes, desde a criação do gado em confinamentos, participando e proporcionando bem-estar animal com sistemas de climatização até o armazenamento da carne em refrigeradores nas casas dos consumidores finais.  Conheça os produtos utilizados nesse processo em nosso site.

Conceito de setpoint e histerese em controladores e como configurar

13/04/2022 - Aquecimento, Charcutaria e Homebrewing, Refrigeração
Se você trabalha com controle de temperatura para aquecimento ou refrigeração, você provavelmente já deve ter visto em algum material as palavras setpoint e histerese, mas você sabe o que realmente significa? Essas palavras em controladores de temperatura estão ligadas a parâmetros de funções dos mesmos. Neste artigo você encontrará os significados dessas palavras e como se relaciona com o controle de temperatura, você acompanhará sobre: O que é setpoint?O que é histerese?Como configurar setpoint e histerese O que é setpoint? A palavra setpoint significa “ponto de ajuste”, este é o parâmetro mais simples do controle de temperatura, nele o usuário escolhe o valor de temperatura na qual o sistema deve manter, ou seja, o setpoint é o valor de temperatura em que a carga irá desligar. Por exemplo, um usuário montou uma cervejeira, e o mesmo precisa que as cervejas fiquem com -3°C, então o setpoint deve ser -3. O que é histerese? A palavra histerese significa “atraso”, essa é uma função disponível nos controladores de temperatura que tem como objetivo definir a diferença de temperatura na qual o sistema irá ligar novamente, após desligar pelo setpoint. A histerese é realizada através do atraso de liga e desliga das cargas*. Isso ocorre pois, com um valor predefinido de histerese superior a 0,1ºC, as cargas não são acionadas e desacionadas repetidas vezes, quanto maior o valor escolhido desse parâmetro menor será a quantidade de vezes que a carga será acionada e maior a variação de temperatura. OBS*: Carga = elemento que é acionado pelo controlador, exemplos: Compressor, resistência, contator, bomba, ventilador, etc. Afinal, para que serve histerese?  Supondo que um usuário possui um sistema de refrigeração na qual a temperatura deve ser de 5ºC. O compressor deve, obrigatoriamente, desligar em 5ºC pois, caso contrário, o sistema irá atingir uma temperatura muito inferior a 5ºC. A histerese serve para definir qual será a temperatura que o compressor irá ligar novamente. Então, por exemplo, caso a histerese seja de 2.0 nesse sistema, a carga irá ligar em 7ºC, que seria 5 + 2 = 7. Ou seja, nesse sistema, o compressor desliga em 5ºC e liga novamente em 7ºC. Outro exemplo, temos um sistema de aquecimento onde o setpoint é de 46°C e a histerese está definida em 5°C. A temperatura irá subir até 46°C e desligará a resistência, , com isso a temperatura irá baixar até chegar em 5°C a menos que nosso setpoint, ou seja, 41ºC, então acionará novamente a carga. Configuração do setpoint e histerese do controlador: Os parâmetros de histerese e setpoint possuem valores predefinidos de fábrica, mas esses valores devem ser alterados dependendo de qual equipamento e para que finalidade serão utilizados. Setpoint O parâmetro de setpoint dos controladores Ageon é alterado na tela inicial do controlador ao pressionar a tela “SET”. Em alguns modelos de controladores, como a Linha Black, o setpoint também pode ser alterado no parâmetro “SP”. O acesso é feito através da tabela de parâmetros ou a partir da tela inicial do controlador. Você pode acessá-lo na tela inicial do controlador pressionando a tecla "SET";E com o auxílio das teclas para cima e para baixo definir o valor.Ou através da tabela de parâmetros, para isso, pressione as teclas para cima e para baixo ao mesmo tempo até aparecer "Cd";Pressione a tecla "SET" e coloque o código de acesso 28;Depois navegue até "SP" e defina o valor desejado; Histerese O parâmetro de histerese está disponível como “r0”, podemos mudar seu valor apenas pela tabela de parâmetros, para acessá-lo devemos: Pressione as teclas para cima e para baixo ao mesmo tempo até aparecer "Cd";Pressione a tecla "SET" e coloque o código de acesso 28;Depois navegue até "r0" e defina o valor desejado. O controlador da Linha Black A103 possui, além de r0, o parâmetro u0 que é referente à histerese do segundo estágio ou da segunda saída a relé. Ou seja, r0 e u0 são os parâmetros de histerese individuais das duas saídas a relé.Nos controladores diferenciais de temperatura (controladores de aquecimento solar, como Automasol TDI, TDA, A108) os parâmetros de histerese funcionam de uma forma diferente das citadas acima. A escolha do melhor valor de histerese depende de uma aplicação para outra, há sistemas em que a variação deve ser pequena (de 0,5 a 1 ºC) para conservar alguns tipos produtos que não podem ter uma variação de temperatura, e em outras aplicações é possível uma variação maior (de 3 a 6 ºC). Parâmetro C2 Além do parâmetro de histerese (r0), há um outro parâmetro que retarda o religamento da carga, esse parâmetro é o C2. O parâmetro C2 aplica um intervalo de tempo em que a carga ficará desligada após atingir o setpoint. Por exemplo, caso C2 = 3, após a carga desligar, a mesma ficará desligada por no mínimo 3 minutos, independentemente da temperatura medida no controlador. Este parâmetro serve para evitar que a carga ligue e desligue repetidamente. OBS: O parâmetro C2 possui uma prioridade maior que o parâmetro de histerese r0, ou seja, primeiramente o tempo de C2 deve ser alcançado para que a carga possa religar pela diferença de temperatura em r0. Como exemplo, em um sistema onde o setpoint de 10ºC e a histerese de 5°C, o parâmetro C2 definido em 3 minutos, o compressor irá desligar em 10°C e voltará a ligar quando a temperatura chegar em 15°C logo após aos 3 minutos de retardo do acionamento da carga. Por fim, podemos dizer que o setpoint é a temperatura onde a carga é desacionada, e a histerese é o valor onde a carga volta a acionar. Em controladores com controle PID não possuem os parâmetros de histerese, pois o controlador envia a carga somente a energia necessária para manter a temperatura. Venha conferir as diferenças entre um controlador on-off ou controlador PID. Se possuir alguma outra dúvida sobre o assunto ou outros deixe sua pergunta nos comentários. Ou você pode entrar em contato com nosso suporte técnico para esclarecer suas dúvidas com sua aplicação através dos nossos canais de comunicação: (48) 3028-8878 (48) 99996-0430 Ou entre em contato por WhatsApp

Como evitar problemas com sensores de temperatura

06/04/2022 - Aquecimento, Aquecimento Solar, Charcutaria e Homebrewing, Chocadeiras, Refrigeração
Uma preocupação muito comum para quem trabalha com controladores de temperatura, é com problemas que podem ocorrer devido aos sensores de temperatura, que podem ser desde uma medida errada da temperatura, acionamento das cargas de forma inadequada, e até ao consumo de energia elevado. Com isso, possuem algumas ações a serem tomadas para que se possa ter um melhor aproveitamento do equipamento, que pode evitar os problemas com sensores de temperatura. Como melhorar a precisão do sensor de temperatura Em um sistema, dependendo de como um sensor for instalado, podem ocorrer alguns erros, para que possamos evitar devemos ter em mente algumas boas práticas, para que então obter os melhores resultados dos próprios sensores e, consequentemente, do controlador. Conhecer o sensor Algo fundamental para aumentar a precisão do sensor, é saber qual a sua faixa de medição, além do grau de proteção. Com essas informações é possível tomar algumas decisões da melhor forma posicionar no sistema. Posicionamento Sabendo das informações do sensor, agora podemos escolher o melhor lugar para posicioná-lo, para evitar problemas devemos instalá-los afastados de saídas de ar e de fontes de calor. Interferências externas O ambiente onde está instalado até ruídos eletromagnéticos, conseguem atrapalhar a medição de um sensor, e essas interferências podem ocorrer ao passar os cabos dos sensores separados de cabos de alimentação, ou utilizar cabos com mais de 100 metros de comprimento. Os sensores podem ser emendados, desde que sejam utilizados cabos blindados PP 2x24AWG ou 0.5mm (recomendado o uso de tubo termo retrátil para o isolamento). Recomendações gerais Se a divergência de temperatura persistir mesmo após seguir todas as dicas citadas acima, o que pode ser feito é a calibração do sensor. Dependendo do controlador que está sendo utilizado, os parâmetros de calibração são diferentes, para conseguir te auxiliar nessa função, deixamos abaixo uma tabela com os modelos de controladores e os parâmetros utilizados para essa finalidade. ProdutosParâmetros de calibraçãoAutomaSet T102r4AutomaSol TDICA1 e CA2AutomaSol TDACA1, CA2 e CA3Linha Black A102, Linha Black A103 PID,Linha Black A104r4Linha Black A103r4 e U4Linha Black A103 PID U r4 e U4Linha Black A106r4 e d9Linha Black A108C1 e C2Série H101, Série H103,Série H104, Série H105,Série H201 r4 Série H108rA e rbLinha Prime K116 BigDisplay r4 e d9 SmartSet One e Duor4SmartSet Maxr4 e r5SolarTouch SL1CA1 e CA2SolarTouch SL2CA1, CA2 e CA3SolarTouch SL3CA1, CA2, CA3 e CA4 Dessa forma, com as informações de boas práticas acima são pontos principais para que possa ter um melhor funcionamento e possibilita evitar os problemas com sensores de temperatura.Venha conhecer os nossos controladores de temperatura, e conhecer qual o melhor modelo para sua aplicação.

Modo econômico nos controladores de temperatura

16/03/2022 - Refrigeração
Todos já pensamos em como maximizar a economia de energia, na refrigeração não é diferente, em refrigeradores o maior consumo de energia vem do compressor. Para isso, os controladores dos modelos da Linha Black A102, A106 e no modelo K116 BigDisplay, possuem a função modo econômico. Ela tem como característica aumentar a temperatura do setpoint da geladeira ou do refrigerador, nos momentos em que não terá a porta aberta com tanta frequência. Como utilizar o modo econômico É possível utilizar a função a partir do acionamento manual, ou com a utilização do sensor de porta. Os controladores modelos A106 e K116, possuem sensor de porta aberta. Modo automático: O sensor de porta aberta instalado no refrigerador com os modelos K116 e A106, pode acionar o modo econômico O sensor de porta aberta instalado no refrigerador com os modelos K116 e A106, pode acionar o modo econômico automaticamente. Quando a porta fica fechada com um tempo superior ao valor escolhido no parâmetro “P4” (Tempo de porta fechada para entrar em modo econômico). Modo manual: Para acionar o modo econômico manualmente, nos modelos A102 e A106, basta pressionar a tecla “A” por 4 segundos. Enquanto, no modelo K116 pressione a tecla “AUX” até entrar no modo econômico. Ficando assim, por conta do usuário escolher o momento certo de ativar a função. Como configurar o modo econômico: A utilização deste modo necessita configuração de diferentes parâmetros diferentes em cada modelo de controlador, como: A102: O acionamento desta função é realizada a partir de forma manual, sendo necessário alterar apenas dois parâmetros. Em “FE” é referente a escolha de ativar o modo econômico, posteriormente, em "SE" é alterado o valor do setpoint da função. Manual Linha Black A102 A106: Para utilizar o modo manualmente, é necessário habilitá-lo no parâmetro "FE", posteriormente, utilizar "SE" para Para utilizar o modo manualmente, é necessário habilitá-lo no parâmetro “FE”, posteriormente, utilizar “SE” para escolher o setpoint da função. Enquanto nos parâmetros “P4” e “P5” são ajustados os valores do tempo para ligar e desligar o modo econômico. Manual Linha Black A106 K116: No modelo K116, o uso do modo econômico se dá através da escolha dos setpoints das receitas referentes a função, dos parâmetros “t5”, “t6”, “t7” e “t8”. E então, em “P4” e “P5” escolhemos o tempo em que a porta esteja fechada para ligar a função e o tempo máximo para desligar o mesmo. Para te auxiliar, recomendamos também nosso artigo “Modo Econômico do controlador K116 BigDisplay em Expositor de Bebidas”. Manual K116 BigDisplay Os controladores de temperatura da Ageon são seus maiores aliados na economia de energia, a temperatura do refrigerador tende a não ter bruscas mudanças de temperatura quando a porta não é aberta com frequência. Em algumas aplicações pode elevar um pouco a temperatura sem influenciar no condicionamento do que está sendo refrigerado. Com isso, o compressor liga e desliga menos vezes durante esse período, resultando na economia de energia. Ficou com alguma dúvida? Ficaremos felizes em poder auxiliar, entre em contato com nosso suporte técnico através dos canais: (48) 3028-8878 (48) 99996-0430 Ou entre em contato por WhatsApp.

As vantagens do controlador de temperatura AutomaSet T102 da Ageon

02/02/2022 - Aquecimento, Charcutaria e Homebrewing, Refrigeração
O AutomaSet é um controlador de temperatura que possui algumas vantagens comparado com outros controladores de embutir do mesmo funcionamento. Nesse sentido, o controlador é versátil e simples.Dentre seus diferenciais destacamos: Alimentação; Saída a relé; Fixação de sobrepor; Simplicidade de manuseio. Alimentação: Ao começar a falar sobre a facilidade do controlador destacamos como realizamos a alimentação do produto. A forma de ligação do AutomaSet é feita apenas utilizando dois bornes. Isso ocorre, pois o controlador tem uma fonte chaveada que possui uma maior qualidade e durabilidade. Além disso, a fonte chaveada é bivolt automático, ficando na faixa de 85V a 265V. A vantagem é que a instalação é facilitada, evitando os erros de ligação devido às diferenças de tensão de cada parte do país. E assim tendo uma margem de proteção contra variações de tensão dentro da faixa de funcionamento. Saída a relé: Do mesmo modo a saída a relé tem a característica de ser simples de utilizar. Sem a necessidade de ter que conectar a fase de alimentação com a saída relé. Sendo assim, facilitando a instalação do produto sendo necessário somente a conexão na rede elétrica e outra para o relé. Isso acontece, pois o AutomaSet tem na sua placa um jumper interno que desobriga o uso dele externamente. Fixação: A fixação do controlador AutomaSet é diferente comparado com controladores de embutir padrões de mercado. Por outro lado, o padrão de fixação do T102 é de sobrepor, sendo fixado em caixas elétricas 4x2 ou em qualquer superfície plana. Com um parafuso e pendurado com o gancho que tem por trás do produto, ou usar a furação da caixa elétrica. Com isso, não necessita de fazer corte no material utilizado para fixação, economizando tempo e dinheiro com a aquisição de ferramentas específicas para essa finalidade. Uso do controlador: O AutomaSet T102 possui muitas características simples e fáceis, e com o uso dele não pode ser diferente. Configuração e uso são feitas com o apoio de apenas quatro teclas. A tecla para cima e para baixo, usadas para aumentar e diminuir os valores e navegando pelos parâmetros. A tecla "SET", usada para acessar o "set point" é feita direto na tela inicial pressionando a tecla, e na tabela de parâmetros, pressionando acessa o parâmetro para editar. Por fim, a tecla "PUMP" na tela inicial, permite entrar no Modo "Standby", basta mantê-la pressionada, e na tabela de parâmetros irá mostrar a versão do firmware.Outro ponto no controlador é seu visor, o display tem fácil visualização das temperaturas, e dos estados do relé se está ligado ou desligado. Em conclusão, podemos dizer que as vantagens do controlador de temperatura AutomaSet T102 são simplicidade, versatilidade e fácil instalação. Se você se interessou pelo controlador entre em contato conosco, ou se precisar de ajuda do nosso suporte técnico com dúvidas.

Controlador de Temperatura AutomaSet T102

12/01/2022 - Aquecimento, Charcutaria e Homebrewing, Refrigeração
Utilizado em aplicações de aquecimento ou refrigeração, o controlador de temperatura Automaset T102 é uma ótima opção para quem procura desempenho e facilidade. Sendo um produto simples e versátil, destacamos seu uso em: aquecedores, refrigeradores, aquecedores de pisos, sistemas de ar condicionado, estufas e suas variações, expositores de bebidas e sorvetes, balcões frigoríficos e congelados. Nessa publicação você irá ver sobre: O AutomaSet T102;Alimentação do produto;Saída relé;Fixação;Utilização. O que tem no AutomaSet T102? O controlador com ação simples On/Off, com base na temperatura escolhida pelo usuário, o T102 controla a temperatura ligando e desligando a saída relé. Este produto na função de refrigeração também conta com degelo natural, que funciona a partir do desligamento do compressor. Nesse sentido, o usuário pode programar e escolher o intervalo ente os degelos ficando entre 1 a 999 horas. Além disso, possui a opção de duração entre 1 a 999 minutos ou então de desligar o degelo com o parâmetro em OFF. Tendo também pontos que facilitam o uso: Alimentação: A alimentação do produto é simples e rápida de realizar. A conexão é feita nos bornes 11 e 12 do controlador, a tensão de entrada do produto é bivolt de 85V a 265V. A vantagem disso é que independente da região do país onde vai ser instalado se é 110V ou 220V, a conexão é a mesma. Com isso evitando erros de instalação. Saída Relé A conexão dos aparelhos que irão ser controlados pelo AutomaSet deverão estar conectados aos bornes 9 e 10 do controlador. A saída suporta a corrente máxima de 15A. Além disso, a conexão nos bornes não necessita a utilização de jumper para a alimentação, porque a conexão já é feita na próprio circuito interno do produto. Fixação: A fixação do controlador é de sobrepor, em uma caixa elétrica 4x2 o produto é parafusado. Assim eliminando problemas, pois não necessita fazer corte para fixar o controlador, sem se preocupar com a passagem de cabos. Utilização facilitada: Além disso o produto tem uma tabela de parâmetros completa e com configurações simples. As informações no display estão bem expostas. Por exemplo, no funcionamento normal do controlador é exibida a temperatura em graus Celsius, bem como a função do relé se esta ligado, desligado ou então no modo automático. Se interessou com o nosso controlador versátil AutomaSet T102? Se sim, entre em contato conosco para fazermos um orçamento. Ou então, em caso de dúvidas de aplicação, entre em contato com nossa equipe de suporte técnico.

Controlador de temperatura e umidade A103 PID U da Ageon

05/01/2022 - Aquecimento, Charcutaria e Homebrewing, Chocadeiras, Refrigeração
A mais recente linha controladores de temperatura Ageon, a Linha Black ganha um novo produto no seu catálogo, o controlador A103 PID U. Esse controlador é um produto voltado para  o uso em aplicações onde seja necessário o controle de temperatura e umidade, destacando entre eles o ramo da charcutaria, chocadeiras, estufas, refrigeração, secagem de grãos e saunas. Mas o que tem no Controlador de temperatura e umidade? O controlador A103 PID U conta com um sensor de temperatura e umidade comandando assim 3 saídas. Uma destas saídas é a saída TRIAC para aquecimento, onde é utilizado o controle PID (Proporcional, integral e derivativo). As outras duas saídas relé, uma sendo a saída de umidade e outra sendo um relé auxiliar. O A103 PID U conta com a função de auto-tuning onde o algoritmo vai calcular automaticamente os melhores valores para o controle PID na utilização da saída TRIAC, com isso reduzindo a variação de temperatura. Na Saída do relé de umidade pode ser definida a utilização para umidificação como para desumidificação e na outra saída pode ser configurado como: refrigeração, aquecimento auxiliar ou timer cíclico. Todas as facilidades e comodidades da linha Black Além das características únicas do controlador A103 PID U ele também tem características de todos os outros produtos da Linha Black da Ageon que facilitam o uso e tornam a utilização mais tranquila. Design dos controladores A linha conta com um painel com acabamento sofisticado com um visor de acrílico na frente de um painel emborrachado. O grau de proteção IP65 (protege contra poeira e jatos de água), conta também com 6 teclas para programação e navegação entre os parâmetros. Fixação A fixação dos controladores dessa linha pode ser feita com a utilização das presilhas convencionais para esse tipo de produto. Além disso, também possui a opção de fixar os controladores sem ter acesso a parte traseira do aparelho. Para isso basta usar a furação destinada a fixação com parafusos que fica posicionado na parte interna do visor acrílico. Programação e conexão A Linha Black conta com a opção de utilizar a FastKey, uma chave de programação que possibilita configurar os parâmetros de muitos controladores em um tempo reduzido, assim reduzindo custos. Com isso pode copiar a configuração de um controlador e replicar essa mesma receita para outros controladores. A FastKey tem a possibilidade de gravar até 9 receitas. A conexão remota também está disponível para a ser utilizada com o ArcSys para monitoramento online, através do conector USB na lateral do aparelho e utilizando o adaptador RS-485.Deseja saber mais sobre os controladores de temperatura e umidade A103 PID U? Entre em contato com nossa equipe e conheça outras vantagens deste modelo.

Teste grátis ArcSys: Sistema de monitoramento de temperatura online

03/03/2021 - Aquecimento Solar, Charcutaria e Homebrewing, Refrigeração
Você sabe o que é um sistema de monitoramento de temperatura online? Neste post vamos falar sobre como esses sistemas dão tranquilidade e reduzem o tempo e o custo de suporte dos técnicos, instaladores e também para proprietários de estabelecimentos. No final do post, faça o teste do ArcSys e descubra como resolver os problemas de monitoramento de temperatura. O que é o monitoramento de temperatura online?Sistemas de monitoramento de temperatura: Tradicional vs. OnlineComo testar o Sistema de Monitoramento de Temperatura Online ArcSys? O que é o monitoramento de temperatura online? Sistemas de monitoramento de temperatura estão no mercado há alguns anos. De modo geral, esses sistemas permitem a supervisão online de controladores de temperatura, ou seja, é possível visualizar a temperatura dos seus equipamentos utilizando um dispositivo conectado à internet. No entanto, muitos sistemas como estes possuem uma instalação complexa e exigem conhecimentos avançados em informática. Recentemente surgiram no mercado os sistemas de monitoramento de temperatura online. É o caso do ArcSys Cloud, por exemplo. Utilizar um sistema online ou também chamado sistema na nuvem é muito mais prático e seguro do que os sistemas tradicionais. Mas o que é um sistema na nuvem? O conceito de “nuvem” está diretamente ligado à internet das coisas (IoT). Um serviço na nuvem não precisa da instalação de aplicativos e nem mesmo de armazenamento de dados. Isso ocorre porque são utilizados servidores remotos, localizados em centros de processamento de dados. Por isso seu acesso é muito mais fácil e rápido, além de agilizar o trabalho dos técnicos durante a instalação. Sistemas de monitoramento de temperatura: Tradicional vs. nuvem De modo geral as plataformas na nuvem possuem diversas vantagens em relação às plataformas tradicionais. Nos itens abaixo você verá a comparação do ArcSys Cloud com sistemas de monitoramento tradicionais encontrados no mercado. Sobre a estrutura Os sistemas de monitoramento de temperatura disponíveis no mercado geralmente exigem uma estrutura para funcionar. Em muitos casos é necessário um computador ligado 24 horas por dia e também a instalação de um programa específico. Sempre que um usuário deseja monitorar a temperatura do equipamento, na verdade ele estará acessando as informações salvas neste computador. Isso significa maior custo de instalação e consumo de energia mais elevado devido à exigência do computador. Enquanto isso, um sistema como o ArcSys Cloud funciona em servidores na nuvem, ou seja, não é preciso instalar nenhum programa e nem mesmo um computador dedicado. Para acessar as informações, basta um celular conectado à internet. O ArcSys Cloud é acessado diretamente do navegador (como o Google Chrome, Firefox, Safari, entre outros) através do endereço https://arcsys.cloud. Isso significa menor custo inicial e mais economia ao longo do tempo. Segurança das informações As informações salvas por um sistema de monitoramento devem ficar armazenadas em algum local. Nos sistemas tradicionais esse local costuma ser o computador citado no item acima, enquanto nos sistemas na nuvem as informações ficam salvas online e possuem backup de segurança. Na prática, isso significa que nos sistemas tradicionais as informações estão suscetíveis a roubos, incêndios e outros riscos. Qualquer um destes incidentes resultaria na perda total de todos os dados registrados. Já em um sistema na nuvem, como o ArcSys Cloud, a informação está armazenada em um grande servidor. Mesmo que um incidente ocorra e o servidor seja destruído, as informações possuem cópia de segurança que tornam praticamente impossível a perda dos dados. Quantidade de pontos de monitoramento A maior parte dos sistemas de monitoramento tradicionais permite um número limitado de pontos de monitoramento. Isso ocorre por diversos motivos, mas principalmente por limitações técnicas dos equipamentos. Já os sistemas de monitoramento na nuvem possuem sistemas mais robustos, pois estão baseados em servidores poderosos. Isso permite um maior número de pontos de monitoramento em uma mesma tela. O ArcSys Cloud, por exemplo, pode exibir um número virtualmente ilimitado de pontos de monitoramento em uma mesma tela. Isso é muito útil para técnicos e instaladores que oferecem o serviço de monitoramento para os seus clientes e também para empresas que possuem várias filiais. Configuração de alarmes Ambos os sistemas de monitoramento, tanto os tradicionais quanto os na nuvem, permitem a configuração de alarmes por e-mail. No entanto, os sistemas tradicionais costumam alertar os usuários apenas caso a temperatura dos equipamentos saia de uma faixa programada. Já os sistemas na nuvem possuem outras formas de alertar os usuários de que algo de errado ocorreu. Além dos alertas de temperatura, o ArcSys Cloud informa os contatos cadastrados sempre que houver uma queda na energia elétrica ou problemas na internet. Entre outros benefícios, isso pode evitar grandes prejuízos com perda de mercadorias. Como testar o Sistema de Monitoramento de Temperatura Online ArcSys? Veja abaixo como é simples testar o ArcSys e resolver seus problemas de monitoramento de temperatura. Insira seus dados Em primeiro lugar precisamos das suas informações para gerar seu login e senha. O ArcSys é um sistema seguro, por isso só é possível acessá-lo inserindo informações de login e senha corretos. Acesse o link enviado por e-mail Ao inserir seus dados, você receberá um e-mail com as informações de acesso do ArcSys. Click no link e utilize o login e senha enviados para iniciar o teste. Pronto! Você está utilizando o ArcSys Agora você possui 24 horas para visualizar todas as funções do ArcSys. Veja 32 controladores de temperatura em uma mesma tela, ajuste parâmetros, gere relatórios e muito mais. Tudo é fácil, prático e simples. Faça seu teste grátis: Nome: Telefone: E-mail: Empresa: Testar agora! // ENVIO $('#formSimuladorArcSys').submit(function(){ var nome = $('#formArticleNome').val(); var telefone = $('#formArticlePhone').val(); var email = $('#formArticleEmail').val(); var empresa = $('#formArticleEmpresa').val(); var param = { nome: nome, telefone: telefone, email: email, empresa: empresa }; enviaContato(param); return false; }); function enviaContato(param){ var url = "http://simulador.arcsys.com.br/cgi/teste-gratis/simulador-arcsys.php"; setTimeout(function(){ alert('Enviamos os dados de acesso para o e-mail informada.\nClique no link enviado para acessar o ArcSys.'); },500); $.get(url, param, function(data,status){ var result = new Function(data); gtag('event', 'Interação Blog', {'event_category':'Simulador ArcSys', 'event_label':'Post - Simulador ArcSys'}); return(result()); }); } Desejo mais informações sobre essa tecnologia. E agora? Se você acha que um sistema de monitoramento de temperatura na nuvem pode ser útil para você, a Ageon pode ajudar. Se você é um técnico ou instalador, oferecer um serviço de monitoramento para os seus clientes pode ser um diferencial no mercado. Se você possui um estabelecimento e precisa de monitoramento da sua mercadoria, um sistema na nuvem pode ser a solução ideal para você. A Ageon possui o ArcSys Cloud que foi feito especialmente para estes casos. Com ele é possível monitorar os equipamentos em tempo real, gerar relatórios e configurar alarmes. Tudo isso com alguns toques na tela do seu celular. Que tal saber mais sobre esta tecnologia? Acesse a página ArcSys Cloud e fique por dentro.

FanSpeed: Controle de velocidade dos ventiladores pela pressão do fluído

09/12/2020 - Refrigeração
Você já precisou controlar a velocidade dos ventiladores do condensador em um sistema de refrigeração? Em muitos casos são ventiladores monofásicos e o controle deve ser feito de acordo com a pressão do fluido refrigerante. Parece complicado? Por isso criamos este post para esclarecer este assunto e demonstrar como é possível controlar a velocidade dos ventiladores utilizando o FanSpeed. Por que controlar a velocidade dos ventiladores? Primeiramente precisamos relembrar a relação entre pressão e temperatura. Quando falamos de sistemas de refrigeração, geralmente nos referimos a um sistema que possui compressão e expansão de um fluido para a troca de calor com o ambiente interno e externo, respectivamente. Em outras palavras, a pressão do fluido refrigerante aliado com a troca de calor com o ambiente impacta diretamente na eficiência do sistema. Acontece que, dependendo da temperatura externa, o sistema de refrigeração pode necessitar de mais ou menos troca de calor para atingir o mesmo resultado. Em dias mais quentes, por exemplo, a troca de calor deve ser mais intensa e os ventiladores devem atuar em velocidades maiores para que a pressão do fluido não se eleve demais. Em dia mais frios, no entanto, a troca de calor pode ser reduzida e os ventiladores devem atuar em velocidades menores para que a pressão do fluido não fique abaixo do ideal. Quando os ventiladores não atuam corretamente, em dias quentes a refrigeração pode ser insuficiente, enquanto em dias frios há risco de congelamento do evaporador. Para evitar ambas as situações existem equipamentos que controlam a velocidade dos ventiladores de acordo com a pressão do fluido refrigerante. Como existe a relação entre pressão e temperatura, é possível determinar a velocidade ideal dos ventiladores para que o fluido se mantenha a uma pressão estável. Isso faz com que o sistema de refrigeração atue de forma mais eficiente e ao mesmo tempo auxilia na prevenção contra o congelamento do evaporador. Controlador de condensação FanSpeed A Ageon desenvolveu uma solução especialmente para controle da velocidade de ventiladores monofásicos com base em um valor de pressão. Trata-se do FanSpeed, um controlador de condensação indicado principalmente para sistemas de refrigeração e centrais de ar condicionado. O FanSpeed identifica a pressão do fluido refrigerante através de um transdutor de pressão e varia a velocidade dos ventiladores utilizando um controle PD. Dessa forma, o FanSpeed atua para manter a pressão do fluido em um valor estável de acordo com o setpoint configurado, aumentando a eficiência do sistema e evitando o congelamento do evaporador. O controlador de condensação FanSpeed possui entrada analógica para sensor ou transdutor de diferentes níveis de sinais (4 a 20) mA, (1 a 5) V, (0 a 10) V ou (0,5 a 4,5) V, mas também é possível adquirir o conjunto completo (FanSpeed e transdutor). Permite acionar motores monofásicos de até 8 A, com tensão máxima de saída equivalente a 97% da tensão da rede. Além disso, possui manômetro digital incorporado, dispensando o uso de manômetros externos. Deseja saber mais sobre os controladores de condensação FanSpeed? Entre em contato conosco.